O SÓCIO, O ÍDOLO, O AMIGO!


Para relembrar a escalada da vida política e profissional do nosso saudoso pai, Antônio Piancó,
necessário se faz ressaltar o relevante companheirismo, por décadas a fio, desse Grande Homem que o acolheu como empregado e lhe deu a oportunidade de chegar a ser o 2º acionista de sua Empresa W.Siqueira S/A.

"Eu sou um homem da região do Pajeú - dizia ele - no Sertão de Pernambuco. Comecei a trabalhar muito cedo, com a idade de 11 anos. Na época de minha infância, havia dificuldade para estudar, de maneira que só consegui fazer o Curso Primário".
PERFIL PARLAMENTAR SÉCULO XX
A edição Perfil Parlamentar Século XX, pela Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco, com apoio dos Diários Associados, é significativa, sobretudo, porque representa o destaque de nomes, da obra e da vida daqueles que, por sua atuação política nesta Casa e fora dela, se sobressaíram no Estado e no País.

A Assembléia Legislativa mostra às novas gerações, com esta publicação, a ação parlamentar de alguns de seus mais ilustres deputados ao longo de seus 166 anos.

A seleção dos parlamentares representativos do século XX foi realizada pela Academia Pernambucana de Letras, que indicou o acadêmico Mário Márcio de Almeida Santos, o Conselho Estadual de Cultura, representado pelo conselheiro Marcus Accioly, a Fundação Joaquim Nabuco, que indicou o professor Manuel Correia de Andrade, a Universidade Federal de Pernambuco, representada pelo professor Marc Jay Hoffnagel, e o Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, que se fez presente pelo pesquisador Carlos Bezerra Cavalcanti. Este grupo de notáveis constituiu a Comissão Especial, a qual teve a consultoria do ex-deputado e presidente em exercício da Academia Pernambucana de Letras, Antônio Corrêa de Oliveira.

As reuniões que antecederam a divulgação do resultado final definiram os critérios para a seleção: que o parlamentar já tivesse falecido; atuação na Assembléia Legislativa; atuação política e profissional.

Entre outros escolhidos,Walfredo Paulino de Siqueira. O Parlamento é o espaço democrático onde os cidadãos são representados pelos deputados. Esta publicação é uma homenagem àqueles que tornaram ainda mais importante o Poder Legislativo.Serão publicados três mil exemplares de cada um dos 22 volumes, os quais serão distribuídos, majoritariamente, nas escolas e bibliotecas. A redação destes Perfis está a cargo de jornalistas profissionais, aos quais esta Casa não impôs restrições, confiando-lhes o livre exercício dos seus estilos e características pessoais.-->

Este site interessa a estudantes, a políticos, a pesquisadores e à sociedade de um modo geral, pois nele estão contidas novas informações sobre a História de Pernambuco e do Brasil.

A iniciativa da atual Mesa Diretora da Casa de Joaquim Nabuco concretiza a determinação de que vamos deixar uma Assembléia Legislativa que seja motivo de orgulho para a sociedade que nela se vê representada.

Deputado Romário Dias,
Presidente da Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco
Casado com Dona Maria, pai de 11 filhos:
Zuleide, Socorro, Ivone, Graça, Zita,
Haroldo, José Carlos, Carlos, Marcos, Jorge e Walfredinho

segunda-feira, 23 de maio de 2011

EM MEMÓRIA DO MEU PAI, ANTÔNIO PIANCÓ SOBRINHO




ERA O QUE EU TINHA A DIZER:
Este é um momento de profunda emoção para os filhos, netos e bisnetos de Antônio Piancó Sobrinho.
Não restam dúvidas do duradouro relacionamento político e comercial entre Walfredo Paulino de Siqueira e Antônio Piancó Sobrinho.

É muito difícil para nós, filhos de Antônio Piancó, assimilar a finalidade para a qual essa Comenda foi criada. Quando recebi o convite para representar minha família nesta solenidade, li atentamente sobre o que levou a família de Walfredo Siqueira escolher o nosso pai como um dos agraciados.

Durante toda a sua vida, a vida em que conosco conviveu, meu pai nos ensinou a amar, a respeitar e, sobretudo, a ser gratos àquele que foi para ele o responsável pelo seu sucesso profissional e político.

De repente, o vejo do outro lado da medalha, de repente o vejo considerado como alguém que teve um papel imprescindível para a trajetória de êxito do grande líder sertanejo, Walfredo Paulino de Siqueira.

Em 2008 quando criei o meu 1º blog intitulado "Raízes", onde venho postando relatos das minhas origens, percebi que ao contar a história de vida de Antônio Piancó seria impossível não mesclá-la com os passos de Walfredo Siqueira, visto que andaram juntos pelo mundo dos negócios e da política durante 40 anos.

Walfredo Paulino de Siqueira foi para nosso pai espelho de retidão e caráter, cujos valores, que dele recebeu, repassou para sua família como um precioso legado.
Portanto, é com imensa saudade de Walfredo Paulino de Siqueira, o homem que foi para o meu saudoso pai Antônio Piancó Sobrinho, inicialmente um patrão , posteriormente o seu maior amigo, seu sócio, seu ídolo.
Um homem a quem ele seguiu  politicamente até o dia em que ele deixou de existir entre nós, um homem com quem aprendeu fazer política, com quem aprendeu a trabalhar e ganhar dinheiro honestamente.

Por isso hoje estou qui estou representando a sua descendência, a qual hoje se faz representar pelos seus filhos, netos e bisnetos, que junto comigo vieram agradecer o reconhecimento a ele conferido.

O nome de Walfredo Paulino de Siqueira decantado pelos descendentes de Antônio Piancó, com muito orgulho e com muita gratidão, é eco que não se calará por toda a nossa posteridade.

Nada mais gratificante na nossa vida do que esse reconhecimento, hoje ratificado na entrega dessa Comenda por parte dos  descendentes de Walfredo Paulino de Siqueira.

Não pela vaidade de ser reconhecido, mas pela afirmação coletiva de que nossos atos tiveram aprovação majoritária em meio a esta imensidão que é a diversidade humana.

A atitude de reconhecer e homenagear o nosso pai, é uma atitude de desprendimento e profunda demonstração de consideração e afeto, que toca fundo a nossa alma e o nosso coração.

Por isso estou emocionada com esta homenagem, especialmente, porque a recebo em nome do meu saudoso pai e tenho certeza de que meus familiares, que junto comigo vieram recebê-la, sabem da importância que ela tem para nós.

Temos muitos agradecimentos a fazer, mas o primeiro que faço é a Deus por ter nos dado a oportunidade de privar da amizade de Walfredo Paulino de Siqueira.
Em segundo lugar, quero agradecer ao meu pai, Antônio Piancó, porque ele soube ter o cuidado de fazer sua trajetória de vida com a consciência de que dela dependeria em muito a vida dos seus descendentes.

"Deus nos dá o sol da manhã e o sopro da vida, mas o resto corre por nossa conta" são palavras de Chico Xavier.

Em 1935, meu pai  era apenas um menino de 15 anos de idade, originário de uma família abastada, neto de Serafim Piancó.

Mas, infelizmente, foi surpreendido com a morte de seu pai, João Inácio de Lima, vítima de acidente automobilístico precisamente no dia 2 de novembro, na mesma data em que se comemora o dia de finados.
A minha avó, Conceição Piancó, ficara viúva com 8 filhos, sendo meu pai o mais velho deles.

Meu bisavô era dono de terras na Maniçobas. A Maniçobas é uma propriedade rural situada no Município de Itapetim, que ainda hoje nos pertence por herança. Mas naquela época, por questões que não cabem aqui entrar no mérito, a herança deixada pelo meu avô foi postergada para muitos anos depois.

E meu pai por ser o mais velho, sentiu o peso da responsabilidade que lhe caíra sobre os ombros, diante daquele fatalismo que o fez ficar órfão de pai , juntamente com 7 irmãos.
Por isso teve que arregaçar as mangas, e ir à luta para dar conta da família. E deu. É nisso que reside o seu grande mérito.

Conseguiu seu primeiro emprego com o Sr. Jota Mariano, irmão de Seu Inácio Mariano Valadares, dado que a família, antes de Seu Walfredo, a ele era ligada politicamente.

Não demorou muito para que Seu Walfredo descobrisse aquele "menino", através de Delfino Piancó, um primo legítimo de meu pai que já trabalhava com Seu Walfredo. 
Foi contratado para a função de comerciário, para a compra de algodão, mamona, agave e outras matérias primas existentes na época.

Iniciaram uma relação de empregado/patrão, pela firma W. Siqueira, de 1945 até 1956, posteriormente ficaram sócios pela firma Siqueira & Piancó, e mais tarde sócios pela W.Siqueira S/A, onde chegou a ocupar diversos cargos, inclusive o de Diretor / Secretário.

Também foi dono do seu próprio negócio, além de uma Casa Comercial em Itapetim, dedicou-se a indústria de panificação e montou uma fábrica de doce de goiaba, fato que vem corroborar a certeza de que Seu Walfredo muito contribuiu para que alcançasse a sua independência financeira.

No ano de 1945, ano em que casou-se com minha saudosa mãe, Rita Barbosa Piancó, teve como padrinho de casamento o seu patrão e amigo, Walfredo Siqueira, foi morar na povoação de São Vicente para desempenhar sua função de comerciário.

Foi naquele mesmo povoado que o casal teve a sua primeira filha, Bernadete, de cujo batismo foram padrinhos Seu Walfredo e Dona Maria.

O relacionamento político também teve início em 1945, quando Seu Walfredo tendo sido convocado pelo Interventor do Estado, Agamenon Magalhães, e recebera a incubência de organizar o Partido Social Democrático - PSD no seu município.

Em cumprimento a esta delegação que recebera, Seu Walfredo escolheu Antônio Piancó para dar cabo daquela importante tarefa, na então Vila de Umburanas, que naquela época ainda não era um município emancipado.

Incentivado e apoiado por Walfredo Paulino de Siqueira, Antônio Piancó foi eleito vereador por três Legislaturas, e no ano de 1963 elegeu-se prefeito do Município de Itapetim, cujo mandato por força do golpe militar de 1964 perpassou os 4 anos para os quais foi eleito, tendo governado Itapetim até o ano de 1968.

Amigos inseparáveis, Walfredo e Toinho, nutriram pelo Pe. João Leite de Andrade, o maior chefe político da minha terra natal, uma grande amizade e um profundo respeito, permanecendo no mesmo partido até a sua finitude, quando foi substituido pela ARENA. ,

Ainda guardo comigo o Livro de Atas do Partido Social Democrático - PSD, onde estão registradas todas as sessões de 29 de agosto de 1949 (ano em que nasci) até o dia 26 de fevereiro de 1964, e nessa última ficou o registro histórico do escolhido para Delegado às Convenções Nacionais do Partido, o Doutor Paulo Pessoa Guerra.

No meu Blog "Antônio Piancó - O Homem Público, postei o conteúdo dessas sessões pela importância dos registros ali encontrados, e principalmente pela memória de grandes homens da minha terra que, junto com meu pai, participaram da nossa luta pela emancipação do nosso município.

Quando comecei a juntar os retalhos da vida do meu pai para escrever no Blog "Raízes", na intenção de deixar para os meus netos relatos das minhas origens, percebi no decorrer das minhas postagens a impossibilidade de fazê-lo sem que tivesse um conhecimento mais profundo da trajetória de vida de Walfredo Siqueira.

Fui buscar no trabalho do Jornalista e escritor, Ivanildo Sampaio, que havia escrito "O algodão e o Sonho" onde traçou o perfil de Walfredo Siqueira, as informações de que precisava.

Confesso que, durante a minha leitura, a cada parágrafo só não vi meu pai ao lado de Seu Walfredo nas vezes em que ele se sentou na cadeira do parlamento, ou na cadeira do governador, mas em todas os outro momentos de sua vida, durante 40 anos, ele estava alí, presente, como amigo fiel, como correligionário, como partífice e não como mero objeto, enfim como um trabalhador incansável.

Entre tantas outras citações, pincei do "Algodão e o Sonho", uma afirmativa de Seu Walfredo, a qual se não levasse a sua assinatura, eu poderia pensar que teria sido escrita por meu pai:

" Eu sou um homem da região do Pajeú - dizia ele - do Sertão de Pernambuco. Comecei a trabalhar , com a idade de 11 anos . Na época de minha infância, havia dificuldade para estudar, de maneira que só consegui fazer o Curso Primário."

Imediatamente eu me lembrei da história que meu pai gostava de contar:

"Quando fui trabalhar com Seu Walfredo ele sabia que eu era um homem de pouca leitura. Se ele quisesse, teria me posto um saco na cabeça no meu primeiro dia de serviço. Mas ele me deu um bureau, uma caneta e com ele terminei de aprender a ler e escrever, pois eu só tinha o curso primário feito com professora rural. Em momentos de folga eu copiava os livros do escritório, eu procurava imitar a letra dele, fui treinando e por isso hoje tenho essa caligrafia"

Também estão registradas no "Algodão e o Sonho" as palavras de Dr. Eraldo Gueiros em uma entrevista concedida a Ivanildo Sampaio:

"... Os homens do Pajeú são homens dignos, sérios, incapazes de trair a palavra empenhada. O seu conterrâneo, Walfredo Siqueira, é um desses homens em quem a gente pode confiar, um homem que não precisa assinar documento para honrar a palavra dada, pois a gente sabe que ela será cumprida até o fim".

E de novo me lembrei do quanto nosso pai honrou a sua condição de sertanejo digno e sério, cumpriu a sua palavra empenhada, a palavra tantas vezes repetida por ele, a de ser amigo fiel e incondicional de Walfredo Paulino de Siqueira, até que a morte de um dos dois o separassem.

Meu pai sempre dizia, humildemente, tudo que sou, tudo que tenho e tudo que venha a ter, eu devo a um homem chamado Walfredo Siqueira, que me acolheu em suas empresas, quando fiquei orfão de pai aos 15 anos de idade ele foi para mim o pai que inesperadamente perdi.

"Enquanto vida eu tiver, seguirei o caminho que seu Walfredo indicar, porque aprendi que a maior qualidade do ser humano é saber ser grato àqueles que nos estendem a mão nas horas mais difíceis da nossa vida. E foi isso que ele fêz por mim"

E complementava, para estender esse sentimento de gratidão a todos os seus filhos:

"Vocês rezem para seu Walfredo não ir para o partido do "cão", porque nós teremos que ir atrás"

E a sua profecia se cumpriu, todos os seus filhos, ainda hoje, guardam as lembranças desse grande homem, que viveu entre nós de maneira tão presente no nosso cotidiano, que às vezes confundimos o seu nome com o do nosso próprio pai.

No dia 19 de dezembro de 1975, Antônio Piancó se despediu do seu maior amigo, e toda a nossa família experimentou o desgosto de uma partida sem volta, daquele grande homem que tanta influência teve na vida de cada um de nós.

Naquele dia, naquele triste dia, eu estava com meu primeiro filho nos braços, Carlos Leonardo, que acabara de completar 6 meses de vida.

Mais tarde nasceram meus dois últimos filhos, Carlos Eduardo e Karla Sandra, 1980 e 1983, respectivamente.

Nasceram em anos posteriores à presença física de Seu Walfredo, mas ouviram do avô, até o dia em que partiu, também, para a eternidade, a história desse grande homem que impulsionou o seu sucesso, tanto político, como industrial.

Se não tiveram a felicidade de conhecê-lo, por terem nascido a posteriori, testemunharam a amizade do avô com outro grande amigo que ocupou uma parte do seu coração, porque a outra estava guardando a memória de Seu Walfredo.

Esse outro amigo, que não posso deixar de lembrar neste momento, foi o Dr. Honório de Queiróz Rocha, (in memoriam) ao qual meu pai se ligou, inicialmente por laços politicos e no decorrer do tempo por laços profundos de amizade.

Com Dr. Honório aconteceu uma reciprocidade de amizade, que muito se assemelhou àquela vivida por ele e Seu Walfredo, digo se assemelhou, porque no coração de Antônio Piancó Seu Walfredo não teria substituto.

Mas não resta dúvida de que vivenciaram uma enorme amizade, a qual fez com que no dia do seu sepultamento, o Dr. Honório Rocha - que já havia se afastado da política para exercer o cargo de Conselheiro do Tribunal de Contas, e que naquele momento estava ocupando o cargo de Presidente do Tribunal - se deslocasse para Itapetim e proferisse um expressivo pronunciamento, um testemunho do que foi Antônio Piancó:

Dizia ele, em uma das passagens do seu memorável discurso:

" Sou devedor de uma palavra a Itapetim e também de um testemunho:

O testemunho que eu tive a oportunidade de construir durante mais de quinze anos em que conheci Antônio Piancó e desde 1976, nós nos ligamos através de uma amizade que se foi consolidando dia-à-dia e eu devotava a ele uma admiração profunda...

... A sua alma voou, o seu corpo aqui está, vai ser sepultado, mas a crença nos afirma que ele hoje vive a recompensa junto a Deus.

A recompensa da fé que teve, da esperança e do amor que dedicava à sua família e a lealdade aos seus amigos, o amor telúrico à sua terra, que ele desejava ser grande, progressista e desenvolvida ...

Um homem leal aos seu amigos. Um homem que não tinha ódio. Um homem que não guardava ressentimentos. Um homem de alma aberta. Um homem de coração generoso.

Esse homem, que não precisa de que eu diga a Itapetim, toda Itapetim e toda Região do Pajeú, conhece e guardará a memória sempre presente de Antônio Piancó Sobrinho.

Que Deus o receba e que a graça do Senhor conforte todos nós."
E foi assim que ele partiu, ouvindo o que mais se orgulhava de possuir : a qualidade de ser leal aos seus amigos, como o foi por décadas a fio a Walfredo Paulino de Siqueira.

Tenho certeza de que hoje, na eternidade onde se encontra, junto de Deus e daquele que tanta influência exerceu na sua vida, ele recebe essa homenagem, não como aquele que contribuiu para o êxito da trajetória de vida de Seu Walfredo, mas como aquele que, inegavelmente dele recebeu as condições necessárias para a sua projeção como homem político, comerciante e industrial.

Quero agradecer aos filhos de seu Walfredo, por eles não terem esquecido que durante décadas a fio os nomes de Walfredo e Toinho jamais puderam se dissociar, porque suas vidas foram unidas pelo trabalho, pela bravura, pelo respeito e pelo mesmo sentimento de servir ao povo da terra em que nasceram.

Obrigada, em nome da minha família e em nome da memória do nosso saudoso pai, quero agradecer aos descendentes de Walfredo Paulino de Siqueira por esse reconhecimento, da importância que teve Antônio Piancó em todos os momentos em que eles caminharam juntos, durante 40 anos.

Quero terminar minhas palavras agradecendo ao Presidente da Câmara de Vereadores, o Senhor Flávio Roberto de Araújo Jucá, bem como aos demais vereadores.

Sem esquecer de expressar o meu agradecimento especial aos membros da comissão designada para escolher os homenageados de hoje, e ao Vice-Presidente da Casa, Vereador Euclides Ronaldo Leite pela idéia da oficialização dessa Comenda, que hora recebo em nome de minha família, a qual teve o privilégio de fazer parte da lista seleta dos que hoje recebem essa grandiosa homenagem.

Obrigada, Seu Walfredo, tenho certeza de que Deus, na sua infinita bondade, lhe permitiu o reencontro com o seu grande amigo Antônio Piancó e, neste 21 de maio, nesta hora, neste exato momento, estão assistindo juntos as comemorações pelo seu centenário, ao tempo em que enchem seus corações de alegria pela amizade que ainda hoje une as famílias Siqueira e Piancó.

Muito obrigada, porque um dia o Senhor existiu entre nós!

Lusinete Barbosa Piancó do Rêgo Vilar

Filha de Antônio Piancó Sobrinho

Em nome da Família Piancó

Em 21 de maio de 2011

Um comentário:

Lila Piancó disse...

Faço jus às palavras da minha irmã Lusa acima citadas com relação à pessoa do S°. Walfredo Siqueira. E quero agradecer a generosidade da sua família em escolher o meu inesquecível pai Antônio Piancó para ser agraciado pela comenda que recebemos em sua homenagem.Muito grata.Passarei para minha filha a gratidão e o reconhecimento do seu avó Antônio Piancó por este Homem que tanto lhe ensinou e lhe valorizou como ser humano.